rato
Diferenciam-se das demais pragas, pois são mamíferos, apresentando maior tamanho e consequentemente é maior a quantidade de microorganismos (bactérias, vírus, etc.) que podem transportar como vetores mecânicos, ou transmitir através da saliva e urina.

rato1

CAMUNDONGO (Mus musculus)

Principais características

   ·       São curiosos
·       Possuem hábitos noturnos
·       Apresentam um raio de ação de 3 a 5 m em relação ao abrigo, ou seja, os ninhos podem estar dentro dos imóveis.
·       Possuem cerca de 9 cm de comprimento.

Onde se abrigam
   ·         Podem fazer seus ninhos em motores de geladeiras, máquinas de lavar, fogões, guarda-roupas, móveis, etc.

rato2
RATO DE TELHADO (Rattusrattus)

Principais características

·      São desconfiados
·      Possuem hábitos noturnos
·      Apresentam um raio de ação de 60 m aproximadamente em relação ao abrigo. Assim, os ninhos podem estar no imóvel vizinho.
·      Possuem cerca de 20 cm de comprimento.

Onde se abrigam

·      Sótãos, forros, ocos de árvores, armazéns, telhados, geralmente em locais elevados.
rato3
RATAZANA (Rattusnorvegicus)

Principais características

·       São desconfiados
·       Possuem hábitos noturnos
·       Apresentam um raio de ação de 50 m aproximadamente em relação ao abrigo. Assim, os ninhos podem estar no imóvel vizinho.
·       Possuem cerca de 22 cm de comprimento.

Onde se abrigam

·      Podem ser encontrados em galerias de esgoto, e seus ninhos podem ser feitos em jardins, terrenos baldios, porões, sempre no solo ou em escavações.


Informações gerais:

Os roedores pertencem à ordem Rodentia, apresentando como características a presença de dois pares de dentes incisivos (maxilar superior e inferior), revestidos por uma camada de esmalte extremamente resistente capaz de roer tijolo, madeira, alumínio, chumbo, cimento. Além disto, estes animais apresentam grande habilidade em escalar, nadar, escavar e um bom equilíbrio. A maioria apresenta atividade noturna e habita regiões altas e escuras como o telhado, caneletas e cabos, esgotos abertos e fechados, apresentando também uma boa memória.
O aparecimento dos roedores, como de todas as pragas urbanas segue a regra dos 4 A, isto é, é consequência da disponibilidade de acesso, abrigo, água e alimento.
A presença de trilhas, galerias, ninheiras, manchas de gordura na parede, roeduras, tocas, rastros e fezes são instrumentos para identificar e estimar a população de ratos.
O curto período de gestação, o número de cios e filhotes, e a maturidade sexual (de 2 a 3 meses), justificam a velocidade do crescimento populacional. Por isto, o controle de roedores não deve estar fundamentado somente no uso de métodos químicos, e sim, unir as técnicas de manejo integrado, para que o resultado seja mais duradouro. São elas a higienização constante, o cuidado em vedar frestas no ambiente, fechar buracos no jardim, cuidados com materiais em desuso (lixo, entulho, etc.).
Existem alguns sinais que denunciam a presença de roedores em um imóvel:
 a)      Sons:
 É possível escutar à noite barulhos de corridas rápidas, ou de roeduras, nos forros de gesso ou madeira ou também em locais mais tranquilos do imóvel.
 b)      Fezes:
As fezes dos camundongos têm aproximadamente 0,5 cm de comprimento e são afiladas nas pontas. As fezes de ratos de telhado têm o mesmo aspecto, porém com o comprimento maior (aproximadamente 1 cm). No caso das ratazanas, as fezes têm o comprimento de aproximadamente 1,5 cm e não tem as pontas afiladas.
 c)       Urina:
Quando exposta à luz ultravioleta, a urina dos ratos emite fluorescência, mesmo depois de seca.
 d)      Trilhas:
As trilhas usadas como comunicação das tocas ao alimento, quando feitas em um jardim, são facilmente reconhecidas, pois a vegetação se torna rala ou inexistente nesses locais.
 e)      Marcas de gordura:
Quando os ratos caminham por um local, geralmente o fazem roçando seus corpos nas paredes enquanto se deslocam. Utilizando-se do mesmo caminho, as paredes ficam marcadas com a gordura dos pelos do corpo.
 f)       Roeduras:
Marcas de dentes embaixo das portas, em portas de armários, portas de gabinetes, denunciam a presença dos roedores.
 g)      Excitação de cães e gatos:
 Esses animais têm um olfato muito apurado e ficam especialmente agitados quando percebem a invasão do seu ambiente por roedores.
 h)      Ninhos:
Muitas vezes são feitos com papéis, pedaços de tecidos, com a presença de grande quantidade de pelos, amontoados em um ponto do imóvel pouco utilizado
A aplicação de iscas deve ser feita onde existam vestígios que indiquem a frequência dos roedores naquele local. Deve-se ressaltar que em alguns casos a isca não é consumida de imediato, como consequência do comportamento neofóbico(desconfiado) de alguns roedores, sem que isto signifique que aquele ponto é inadequado.
O controle permanente exige um manejo do ambiente que crie dificuldades para os roedores obterem alimento, água e abrigo. Com a limitação de acessos, a eficácia de um programa de controle se torna maior e mais duradoura.